Acentuam-se diferenças entre Águeda e Aveiro

edifício da Antiga Capitania de Aveiro

Sendo o 74º município do país em receitas, Águeda foi em 2018 a terceira autarquia da Região de Aveiro com mais dinheiro para gerir (26,4 milhões de euros). Aveiro, porém, quase triplicou Águeda na receita (65,6). Num só ano, as receitas diminuíram em Águeda e aumentaram vertiginosamente em Aveiro

Os 26,4 milhões de euros de receita da Câmara de Águeda verificados em 2018 apenas foram suplantados pelas congéneres de Ovar (27,6) e Aveiro (65,6), enquanto a de Ílhavo se ficou pelos 23 milhões de euros. Estarreja e Oliveira do Bairro (15,6), Albergaria-a-Velha (14,5), Anadia (13,5), Vagos (13,2), Sever do Vouga (8,5) e Murtosa (8,1) figuraram a seguir.
Comparando o ano de 2018 com o anterior, Águeda diminuiu as receitas (menos 2,9 milhões de euros), tal como aconteceu com Ovar (1,2 milhões), mas muito diferente do que se verificou com o município de Aveiro, que teve mais 14 milhões de euros em receitas.
Nunca Aveiro teve tanta receita num só ano, em toda a década em análise, aumentando de forma abrupta a diferença para Águeda. Num só ano, o de 2018, essa diferença situou-se nos 39 milhões de euros – valores absolutos!
Em 2013, por exemplo, enquanto Águeda registou 34,1 milhões de euros de receitas (foi o ano de maior receita do município na atual década), Aveiro teve “apenas” mais 8,8 milhões (42,9 milhões). Desde então (2013), a diferença de receitas entre os municípios de Águeda e de Aveiro tem-se acentuado gradualmente – ultrapassando mesmo, no ano de 2018, o valor máximo no período em análise, que se verificara em 2009 (então, 27,2 em Águeda e 50,2 milhões em Aveiro).
Comparando 2018 com 2009, a perda de receita de Águeda (menos 920 milhões de euros) é insignificante comparativamente às perdas de Ílhavo (-7,8 milhões), Anadia (-6,8), Estarreja (-3,7), Oliveira do Bairro (-3,0), Murtosa (-1,9), Vagos (-1,6), Ovar (-1,4) e Sever do Vouga (-1,5). Apenas Albergaria-a-Velha (2 milhões a mais), além de Aveiro de forma exponencial, aumentaram receitas.
Somando os últimos 10 anos, a Câmara de Aveiro (476.851) teve, em receitas, mais 191 milhões de euros que a de Águeda (285.819). Note-se que a aplicação orçamental numa autarquia divide-se entre despesas correntes (necessárias para o seu funcionamento – despesas com pessoal, consumo intermédio, prestações sociais, subsídios, juros e outra despesa corrente) e despesas de capital (aplicadas em obras e outros investimento, através de financiamento e outras transferências de capital).

A.S.
Autores

Notícias Relacionadas

*

Top