Águeda: Munícipe denuncia caso social dramático

A munícipe Dina Duarte levou ao conhecimento dos deputados o caso de Paula

A munícipe Dina Duarte questionou a cobertura social existente no concelho, criticando as instituições por nada fazerem para ajudar a Paula, que ficou paraplégica e está entregue aos cuidados dos pais

Dina Duarte levou à Assembleia Municipal o caso dramático de Paula que, na sequência de uma operação, sofreu uma paragem cardiorrespiratória, que a deixou em estado praticamente vegetativo, aos 36 anos. Um caso de negligência médica, nas palavras da munícipe, que deixou a Paula tetraplégica, a usar fraldas, a ser alimentada por uma sonda e a ter de ser submetida a uma traqueostomia para respirar, completamente dependente dos cuidados dos pais. Até então, a Paula, que reside em Recardães, tinha uma vida normal. Era casada, tinha dois filhos, tratava da casa, da família e colaborava nas tarefas administrativas da empresa do marido, que a acabou por a deixar.

Nestes últimos dois anos, a Paula te estado presa a uma cama. Passou por algumas instituições, mas ultimamente tem estado aos cuidados dos pais, que tiveram de deixar de trabalhar para cuidar da filha, vivendo com parcos recursos. “A Paula foi abandonada pelo Estado Português”, afirmou Dina Duarte, dando nota que a Paula pode recuperar significativamente se fizer um tratamento no Porto, para o qual são necessários 6500 euros por mês, que custa no total 55 mil euros.

(versão completa na edição impressa e e-paper da semana.)
Autores

Notícias Relacionadas

*

Top