Assistência a atleta do Belazaima premiado pela AFA

A fisioterapeuta do Beira Mar Sara Janela, o atleta do Belazaima José Rodrigues, o árbitro José Pino e o presidente da AFA Arménio Pinho

A AFA – Associação de Futebol de Aveiro – premiou com o cartão branco o árbitro de futsal, José Pinto, e a fisioterapeuta do Beira-Mar, Sara Janela,  pelo auxílio que prestaram ao atleta dos juniores do Belazaima José Rodrigues, que ficou inconsciente após um embate violento com a cara no chão

José Pinto confessa que ficou “sem palavras” com a atitude da AFA, que considera “marcante” na sua carreira. Por sua vez, Sara Janela acha justa a atribuição “do cartão aos dois”, confessando que “não estava à espera” de tamanha homenagem, até porque agiu “de acordo com a ética profissional”.

A história remonta ao dia 3 de dezembro. José Pinto, árbitro de Ovar e ao serviço da AFA há quatro anos, dirigia o encontro entre as equipas juniores de futsal do Belazaima e do Beira-Mar, quando um atleta da equipa do Belazaima se desequilibrou e caiu desamparado no chão com a face.

ÁRBITRO DEIXOU O APITO E  SOCORREU ATLETA

Confrontado com a situação, José Pinto resolveu deixar o apito e vestir a pele de socorrista. Segundo o árbitro, “a violência do embate e a falta de reação do atleta após a queda deram indícios que algo de grave se estava a passar”.
“Instintivamente, decidi atuar devido à formação e treino que tive como bombeiro, pois o atleta encontrava-se prostrado no solo e sem reação. Verifiquei que estava inconsciente. Avaliei os sinais vitais e posicionei o atleta na posição lateral de segurança, com permeabilização da via aérea”, conta o juiz, que de imediato verificou que “as pupilas estavam assimétricas, o que era sinal revelador da existência de um traumatismo crânio-encefálico, e que o atleta tinha uma hemorragia ativa proveniente de um corte profundo no queixo”.
José Pinto controlou a hemorragia e evitou a movimentação da cabeça do atleta até à chegada dos meios de socorro externos, “de forma a evitar o agravamento de possíveis lesões internas”. O árbitro realça, ainda, a prestimosa ajuda que teve da fisioterapeuta do Beira-Mar, que estava no local e deu uma valiosa colaboração.
Sara Janela confessou que fez “o que o instinto ditou no momento”, deixando a sua convicção de que “outros profissionais o fariam também na mesma situação”. Referiu: “Tentámos, eu e o árbitro José Pinto, controlar a situação com os recursos que tínhamos disponíveis na altura e tudo correu pelo melhor, que é o mais importante”, salientou.

ATLETA AGRADECEU

Por seu turno, José Rodrigues agradeceu ao árbitro do jogo “pela prontidão e competência” com que o socorreu, assim como à fisioterapeuta do Beira-Mar. “Agradeço também a preocupação de ambas as equipas com o meu estado de saúde”, concluiu.
De referir que o cartão branco foi adotado esta temporada pela AFA, a única associação do país que o implementou em todos os escalões etários. Segundo dados oficiais do organismo que tutela o futebol e o futsal do distrito, até ao passado dia 5 de dezembro haviam sido exibidos 12 cartões brancos, a esmagadora maioria dos quais a atletas, mas também houve adeptos, treinadores e equipas completas a serem distinguidas pelo seu “comportamento exemplar” durante os respetivos desafios.
O melhor cartão branco da temporada será premiado na gala anual da AFA, que marca o fim de cada temporada.

Foto em cima: A fisioterapeuta do Beira Mar Sara Janela, o atleta do Belazaima José Rodrigues, o árbitro José Pino e o presidente da AFA Arménio Pinho
Autores

Notícias Relacionadas

*

Top