Câmara Municipal de Águeda aprovou contas de 2017 com despesa superior à receita

Executivo municipal de Águeda

A Câmara Municipal de Águeda executou 58,87% da receita prevista para o ano de 2017, de acordo com o relatório de gestão aprovado pela maioria do Juntos na reunião do executivo municipal, com as abstenções do PS e do PSD. A taxa de execução da despesa foi de 65,07%

O município de Águeda tinha aprovado um orçamento de 49 milhões e 881.807 euros para o ano de 2017 – o último dos 12 anos da presidência de Gil Nadais – mas o exercício do ano acusa prejuízo: ficou-se pelos 29 milhões e 365.282 euros na receita (58,87%) perante uma despesa de 32 milhões e 456.471 euros (65,07%).
Os resultados económicos indicam que a câmara não concretizou 20,5 milhões de euros do inicialmente previsto, de acordo com o orçamento e as grandes opções do plano aprovadas para o último ano de mandato do anterior executivo.

 

IMPOSTOS, TAXAS, MULTAS E PENALIDADES

Nas receitas, o município de Águeda executou 77,25% em receitas correntes (26,3 milhões de euros) e apenas 19,35% nas receitas de capital (pouco mais de três milhões de euros dos 15,7 milhões previstos).
Nas receitas correntes, os impostos diretos representam 100 por cento do previsto (9,1 milhões de euros) e os impostos indiretos 88,66% (63.838 euros) mas o destaque vai para a rubrica de taxas, multas e outras penalidades, que ultrapassou o valor previsto em 200 mil euros (representa uma taxa de execução de 133,90%).
Nas receitas de capital, o município previa transferências para investimento na ordem dos 15,7 milhões de euros mas recebeu pouco menos de três milhões de euros (2.968.723 euros), o que representa uma taxa de execução de 18,85%.

 

16,5 MILHÕES PARA FUNCIONAMENTO  DA AUTARQUIA

Nas despesas, o município de Águeda executou 76,86% das despesas correntes (20,9 milhões de euros destinados ao funcionamento da autarquia) e 50,90% das despesas de capital (11,5 milhões de euros para investimento).
Nas despesas correntes, as despesas com o pessoal ascenderam a 8,1 milhões de euros (92,97% de execução) e a aquisição de bens e serviços a 8,4 milhões de euros (64,45% de execução). Todas as percentagens de execução das despesas correntes revelam valores superiores a 77%, excetuando a aquisição de bens e serviços.
O município despendeu 9,5 milhões de euros em aquisição de bens de capital (taxa de execução de 48,19% em obras e outros investimentos) dos 11,5 milhões do total das despesas de capital efetuadas. As transferências de capital foram de 955.265 euros (54,32% de taxa de execução) para as freguesias e associações de municípios.

Autores

Notícias Relacionadas

*

Top