Centro de Artes de Águeda foi “ato de obstinação”

Centro De Artes De Águeda

O presidente da Câmara Municipal de Águeda considerou que o Centro de Artes de Águeda resultou de um “ato de obstinação” do então presidente da autarquia, Gil Nadais, assegurando aos vereadores do executivo que nunca apresentou qualquer proposta para colocar o nome do antigo autarca àquele espaço cultural.

Centro De Artes De Águeda

Centro de Artes de Águeda, inaugurado em maio de 2017, último ano dos três consecutivos de Gil Nadais como presidente da Câmara

Jorge Almeida (Juntos – Movimento Independente) respondia a Antero Almeida (PSD), em reunião do executivo municipal de Águeda, sobre a iniciativa deste em pretender que o mercado municipal se passasse a designar José Júlio Ribeiro, presidente eleito pelo PSD na segunda metade dos anos 80.
Na ata, em aprovação pelo executivo municipal na reunião desta terça-feira – a que o Região de Águeda teve acesso – Jorge Almeida considerou que José Júlio Ribeiro “não merecia que tivessem feito aquele tipo de proposta”, acusando o proponente de não ter tido cuidado. Antero Almeida contestou, argumentando que a proposta “foi apoiada por várias pessoas” que conheceram o antigo edil, já falecido. Na mesma reunião, e citando a ata, António Gama (PS) disse não ter gostado de ver Jorge Almeida a referir-se à proposta de Antero Almeida como sendo “atabalhoada, populista, oportunista e politiqueira”. “São opiniões, cada um tem a sua e eu respeito a dos outros”, respondeu o presidente da câmara.

17 mil euros para serviços de impressão do Centro de Artes

A Câmara Municipal de Águeda tenciona celebrar um contrato no valor de 16.845 euros (mais IVA) com a empresa Marques Associados Print para aquisição de serviços de impressão, e distribuição de todos os suportes físicos de divulgação, para a comunicação associados aos espetáculos do Centro de Artes de Águeda. Esta foi a proposta vencedora do concurso público realizado. Foram admitidas três propostas, sendo que nas que ficaram em segundo e em terceiro lugares os valores ascendiam a 21.250 euros e a 23.897 euros (acrescidos de IVA), respetivamente.

Câmara desativa parcómetros

A Câmara Municipal de Águeda desativou os parcómetros na cidade, ficando as áreas de estacionamento limitado em regime de utilização livre, sem pagamento, até ao dia 2 de junho, “avaliando-se até essa data a possibilidade de prorrogação destas medidas face à evolução da pandemia”.
De acordo com o município, os parcómetros exigem o manuseamento do equipamento através da colocação de moedas e retirada de talões, o que “potencia o risco de contágio” do vírus Covid-19 pelos seus utilizadores. “Estas medidas visam reduzir as dificuldades de estacionamento para residentes, em especial de quem cumpre situações de quarentena ou isolamento social, e ainda de quem contribui com o seu trabalho para funções essenciais”, assinala o município.

Prolongamento do prazo para associações

O executivo municipal de Águeda aprovou o despacho do presidente da câmara, Jorge Almeida, que determinava “a autorização excecional” para prolongar o prazo para a submissão de candidaturas ao apoio ao associativismo cultural, recreativo e juvenil e ao associativo social. O prazo seria até 31 de março mas as associações não conseguiram reunir os seus membros para aprovarem, em tempo útil, o plano de atividades para o corrente ano, bem como o relatório e contas do ano anterior.

300 mil euros para serviços de limpeza

A Câmara de Águeda procedeu ao ajusto direto do serviço de limpeza e higienização dos edifícios municipais e escolares, entre 1 de abril e 31 de dezembro de 2020, por 299.448 euros (mais IVA), à empresa Essêncialimpa. De janeiro a março, a autarquia tinha estabelecidos dois contratos distintos, com as empresas Essêncialimpa (edifícios escolares) e Ferlimpa 2 (edifícios municipais), por 25.200 euros e 27.082 euros, respetivamente.

Autores

Notícias Relacionadas

*

Top