Ciclismo: Luís Gomes (RP/Boavista) venceu grande prémio Anicolor

Grande prémio Anicolor

Luís Gomes (Rádio Popular/Boavista) venceu em Águeda a terceira edição do grande prémio Anicolor, no domingo, impondo-se ao sprint face a Frederico Figueiredo e ao russo Alexander Grigorev, ambos do Sporting/Tavira

O jovem corredor de Vila Nova de Gaia foi a figura de maior destaque ao integrar uma fuga com Nuno Meireles (Miranda/Mortágua), Guillaume Almeida (Fortunna Maia) e Ricardo Ferreira (Vito/Feirense/Blackjack). O quarteto chegou a ter mais de três minutos de vantagem para o pelotão. O momento decisivo da corrida surgiu nas duas contagens de montanha, nos últimos 20 quilómetros, entre Agadão e Castanheira do Vouga.

Luís Gomes antecipou-se na subida aos rivais da fuga e foi ainda o vencedor da classificação da montanha, passando na dianteira nas duas contagens de terceira categoria, em Povoinha e Falgoselhe. Na aproximação à meta, instalada na avenida 25 de Abril, conseguiu estancar os ataques dos perseguidores e acabou mesmo por ser o mais rápido perante os dois ciclistas do Sporting/Tavira.

MIRANDA/MORTÁGUA EM GRANDE

Além de Luís Gomes, a equipa Miranda/Mortágua esteve em grande plano. Três dos seus ciclistas arrebataram camisolas de vencedor: António Barbio venceu os pontos-quentes nas três passagens pela meta (foi o 1º nas duas primeiras), Nuno Meireles venceu a classificação das metas volantes instalada junto ao campo de futebol de Fermentelos e Francisco Campos foi o melhor ciclista sub23.

Toda a equipa estava muito satisfeita. Pedro Silva, diretor desportivo da Miranda/Mortágua, lembrou o início da temporada complicado e a falta de motivação de todos nessa sequência, mas sempre acreditou nas qualidades dos seus ciclistas. “Tentámos ultrapassar o que foi acontecendo de menos bom e as coisas acabariam por suceder. Só foi preciso conseguirmos o primeiro pódio, na semana passada, para tudo surgir naturalmente”, explicou.

A prova deste domingo, para Pedro Silva, representou “um esforço coletivo enorme de todos. Estivemos inseridos nos grupos durante a corrida o que nos permitiu desde logo lutar pelas classificações secundárias. No final, o Francisco Campos esteve muito bem ao passar as montanhas na frente e ainda tentámos fechar o espaço para a frente, mas não foi possível”, concluiu.

A VITÓRIA… COM CAIBRAS

Ao pódio em Águeda subiu ainda a equipa da Rádio Popular/Boavista, vencedora da classificação coletiva, além naturalmente de Luís Gomes para receber as camisola azul (montanha) e amarela (vencedor do GP). “Foi uma etapa muito dura. Entrei de início na fuga, mas não havia entendimento e decidi atacar de longe, juntamente com mais três ciclistas. Na parte final, tentei a minha sorte, arranquei nas subidas e depois optei por esperar pelos adversários do Sporting. Estes atacaram à vez, já vinha com caibras, mas consegui aguentar e na parte final, tendo em conta a chegada, sabia que tinha boas hipóteses para vencer. Dedico este triunfo à minha família e à minha na namorada”, referiu Luís Gomes no final.

Dos 94 ciclistas que alinharam à partida, terminaram 84. A prova teve uma extensão de 142,6 kms, tendo começado em Oliveira do Bairro e passado três vezes na meta em Águeda, numa primeira parte em circuito. Na derradeira hora e meia, os ciclistas discutiram a corrida no seu ponto fulcral: as duas escaladas de montanha em Agadão e Castanheira do Vouga.

Autores

Notícias Relacionadas

*

Top