Exposição de Júlio Resende no Museu do Vinho da Bairrada

Museu do Vinho da Bairrada, em Anadia

O Museu do Vinho da Bairrada, em Anadia, inaugurou, no sábado, uma exposição de Júlio Resende, que pode ser vista até finais de maio.

A mostra acontece no ano em que se comemora o centenário do nascimento do pintor e é o resultado de uma parceria entre o município de Anadia e o Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende.
“A experiência do Lugar”, assim se intitula esta exposição antológica, põe em destaque algumas obras raras do artista, nomeadamente uma reprodução do fresco que realizou, em 1966, para o Tribunal de Justiça de Anadia. Está igualmente exposta uma seleção de desenhos representativos de diferentes períodos e técnicas de Júlio Resende, num total de 50 originais do acervo da coleção do Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende.
O presidente da Fundação Júlio Resende, Vítor Costa, deu a conhecer algumas facetas do artista, tendo relatado experiências que viveu com o artista em várias viagens em que o acompanhou. Explicou ainda que a Fundação está a levar a obra do mestre aos locais onde este realizou alguns dos seus trabalhos, razão pela qual Anadia acolhe esta exposição.
O presidente do Turismo Centro de Portugal, Pedro Machado, considerou que se trata de “uma homenagem justíssima”, tendo realçado o papel importante que a cultura desempenha hoje na promoção do turismo.
Maria Teresa Cardoso, presidente da Câmara Municipal de Anadia, deixou um agradecimento público à Fundação Júlio Resende “por ter confiado no museu para partilhar a vida e obra de Júlio Resende”, frisando que “este é um regresso [do pintor] a Anadia”. A autarca lembrou “a sua grande obra, instalada no tribunal”, referindo que “muitos anadienses desconhecem a sua existência e autoria”. Maria Teresa Cardoso sublinhou que “Anadia tem capacidades para acolher grandes artistas e obras no seu museu”. “Queremos marcar Anadia como grande agente no setor do turismo”, afirmou.
Durante cerimónia de inauguração, e a propósito do fresco que o artista pintou na sala de audiências do Tribunal de Anadia, que representa a outorga, por D. Manuel I, de foral a Anadia, o Grupo Bombarda de Cantanhede recriou esse momento da história do concelho. O público foi ainda brindado com a interpretação, pelo Quarteto Consorte de Flautas da Escola de Música do Conservatório Calouste Gulbenkian de Aveiro, de algumas peças musicais do século XVI.
A exposição estará patente até ao dia 31 de maio, podendo ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 18h, e aos fins-de-semana e feriados, das 11h às 19h.

Autores

Notícias Relacionadas

*

Top