Fermentelos contra relatório do árbitro

Bola de futebol

O Sporting Clube de Fermentelos insurgiu-se, em comunicado, contra a equipa de arbitragem do jogo de juniores com o Pessegueirense, disputado em casa, constituída “pelo árbitro José Micael Pereira Almeida, residente em S.J. da Madeira, e pelos assistentes Rafael Castro e Daniel de Sá, residentes no Olival e em Fornos respetivamente”

Considera o clube que a equipa de arbitragem manifestou “declarada má-fé, com o objetivo único e exclusivo de prejudicar o S.C. Fermentelos” e tenciona recorrer à justiça desportiva e ao tribunal judicial competente para imputar “responsabilidade civil e criminal”.
Refere o clube que “a ousadia do referido árbitro foi desde logo manifestada pelo próprio, quando abandonava o recinto de jogos junto do delegado da equipa do S.C. Fermentelos, de diretores do clube e dos seguranças presentes no jogo, quando em voz alta referiu ‘esperem por aquilo que vou escrever no relatório’, momentos após o delegado do S.C. Fermentelos se ter recusado a assinar o relatório de vistoria ao veículo, onde este iria assumir, em nome do S.C. Fermentelos, a responsabilidade pela autoria do dano (risco na mala) na viatura onde o sr. arbitro se fez deslocar”.
O clube fermentelense considera que “a fúria do referido árbitro resultava do facto de querer imputar ao S.C. Fermentelos a responsabilidade pela autoria um dano que a sua viatura apresentava”. Contudo, adianta, a “inércia do referido árbitro, que não efetuou, como o deveria ter feito, junto dos delegados do S.C. Fermentelos e da J.A. Pessegueirense, de qualquer vistoria à sua viatura quando chegou ao Campo Constantino Marques Duarte”.
O Fermentelos contesta o relatório do árbitro, imputando “ao delegado ao jogo do S.C. Fermentelos e a quatro atletas factos que não se verificaram de todo nem durante nem no final do jogo e até ao momento em que aquele Sr. árbitro abandona as instalações do clube. Aliás, a atitude dolosa é tal que, cegamente e com falsidade, imputa factos a 4 atletas do S.C. Fermentelos que terão ocorrido no momento em que aquele se preparava para abandonar as instalações do clube quando, na verdade, não se encontravam no recinto de jogos nem aqueles 4 atletas nem qualquer outro atleta ou equipa técnica da equipa de juniores” do Fermentelos.
O clube fermentelense fala em “vingança” do árbitro, prejudicando “desportiva e patrimonialmente” a coletividade, dizendo que “não se calará neste caso em especial, como em outros que lesem os interesses desportivos e patrimoniais do clube, e pugnará de uma forma veemente, firme e incondicional pelo apuramento da verdade dos factos”.

Autores

Notícias Relacionadas

*

Top