Futebol: Jogo do Recreio de Águeda em Leiria sem verdade desportiva

Jogo do Recreio de Águeda em LeiriaJogo do Recreio de Águeda em Leiria

O Recreio de Águeda perdeu (1-3) com o União de Leiria, nesta cidade, cedendo também os primeiros pontos. Pela frente encontrou o principal candidato à subida e uma equipa de arbitragem que desequilibrou a contenda nos momentos adequados. Será preciso jogar para encontrar o vencedor da série C?

A cedência do árbitro Rui Nunes (Santarém) aos encantos de Leiria, e do União local, pode medir-se por um momento simples, em que o jogo estava interrompido. Tica tinha sofrido falta (entrada dura de um adversário pelas costas) e estava no relvado à espera de tratamento. Em simultâneo, a uns 30 metros, um jogador local estava caído. O árbitro, junto a Tica e rodeado de jogadores das duas equipas, não ordenou a entrada do fisioterapeuta do Recreio de Águeda e dirigiu-se em passo de corrida ao jogador leiriense. Chegou lá, estendeu-lhe o braço e ajudou a levantar-se. Depois, regressou ao ponto de partida e ordenou então a entrada do fisioterapeuta aguedense para tratar um jogador que precisava – de facto! – de assistência.

Estava escrito que o valor do União de Leiria e o trabalho do árbitro Rui Nunes, que chegou a ser penoso, eram demais para um Recreio de Águeda que lutou, que quis, mas que não teve capacidade hercúlea para suportar o que se pode definir como ausência de verdade desportiva. O Recreio de Águeda foi desrespeitado em Leiria!

O árbitro Rui Nunes geriu bem o jogo: não marcou faltas a favor do Recreio (o lance do 2-1 nasceu de uma falta não assinalada quando o Leiria ganhou a bola) mas marcava as quedas para o relvado dos jogadores locais (só mudou a performance após o 3-1); não assinalou uma grande penalidade a favor do Recreio antes do intervalo; o seu auxiliar assinalou um fora de jogo quando Tica se isolava, na segunda parte, quando até do outro lado do estádio se viu que o jogador aguedense saiu bem de trás, aproveitando o passe longo a rasgar; não marcou livre indireto num atraso em esforço de um defesa local para o seu guarda-redes, que estavam pressionados por Marcelo, acabando pouco depois por marcar um penalti para o 3-1 quando Ndaw ofereceu o corpo à bola… Querem mais?

(leia na edição da semana – versões e-paper e impresssa)
Autores

Notícias Relacionadas

*

Top