Muita música no segundo trimestre no Cineteatro Alba

Cineteatro Alba

Os Mão Morta estão em destaque no ciclo de programação do segundo trimestre de 2018 no Cineteatro Alba. Na noite de 21 de abril, a banda de Braga, que tem sido uma referência no rock nacional há já três décadas, traz o novo álbum ao palco principal do Cineteatro Alba

Passando do rock à bossa nova, Jaques Morelenbaum e Paula Morelenbaum, com CelloSam3aTRio, apresentam uma homenagem ao mestre Antonio Carlos Jobim a 25 de maio. A Garota de Ipanema, Dasafinado e Águas de Março são algumas das músicas que tornaram a bossa nova num fenómeno internacional e que serão recordadas num concerto inserido na programação em rede da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA). Ainda neste âmbito, na noite de 24 de maio, o público pode assistir à performance audiovisual Light Flow, no espaço expositivo do Cineteatro Alba.

JAZZ’ART EM MAIO E JULHO

A completar as propostas musicais na sala principal haverá mais uma edição de Jazz’Art, o espetáculo anual de jazz do Conservatório de Música da Jobra, a 19 de maio, e Pascuala Ilabaca y Fauna a 7 de julho. A cantora chilena, que incorpora ritmos do jazz, pop e rock na música tradicional sul-americana, visita Albergaria-a-Velha no âmbito do Festim – Festival Intermunicipal de Músicas do Mundo.

TEATRO

No teatro, Virgílio Castelo interpreta um homem no “corredor da morte” em Os Últimos Dias De Um Condenado, do escritor francês Victor Hugo. A peça, que é uma crítica mordaz à pena capital, sobe ao palco a 5 de maio e inclui, no final, uma conversa com o público sobre o processo criativo do espetáculo. Em termos de produção local, a oferta é muita e variada. A 7 de abril, os seniores da Oficina de Teatro do Programa Idade Maior apresentam A Moeda. A 13 de abril, temos A Gaiola, do projeto Arlequim Alba e, no dia 20 do mesmo mês, Pedra No Sapato, uma coprodução Companhia Kopinxas e Cineteatro Alba, na sua vertente de apoio à criação. Finalmente, a 7 de junho, 8 Terras Yermas, da Companhia do Jogo/AlbergAR-TE.

DANÇA

Já na dança, o projeto Palcos Instáveis l Segunda Casa apresenta Nem A Própria Ruína, um espetáculo criado com base em 10 000 Anos Depois Entre Vénus e Marte, uma obra de Rock progressivo e instrumental, composta por José Cid. É na noite de 26 de abril.
No Espaço Café-Concerto, onde os talentos emergentes da música, teatro e dança têm um palco próprio, há propostas para todos os gostos. Além do Fado de Miguel Xavier, há o novo Rock português dos Paradigma, a 5 de abril, e os sons da Lusofonia com os aveirenses Senza, a 17 de maio.
Toda a programação do Cineteatro Alba pode ser consultada em www.cineteatroalba.com.

 

Ciclo do fado em maio

Cuca Roseta é cabeça de cartaz do ciclo do fado, que regressa ao Cineteatro Alba no próximo trimestre. A cantora apresenta o mais recente disco Luz na noite de 12 de maio, um trabalho que é um novo momento de revelação na sua carreira.
O programa do Ciclo do Fado inclui também Miguel Xavier, a 10 de maio, Alma de Coimbra, a 11 de maio, e a reposição do fado em Mi, uma criação SAC – Serviço de Aprendizagem Criativa para o público mais novo, a 13 de maio. Também no dia 13, haverá a antestreia do filme As Vozes do Fado, de Ruben Alves e Christophe Fonseca.

Autores

Notícias Relacionadas

*

Top