“Nenhum país se pode considerar independente se não tiver garantida a subsistência alimentar” (Amadeu Morais)

Amadeu Morais, presidente da Associação de Criadores de Raça Holstein da Região Centro e organizador da Feira do Mundo Rural em Águeda, considerou, em entrevista ao RA (edição impressa), que “nenhum país se pode considerar indpendente se não tiver garantida a subsistência alimentar”.

 

O dirigente e agricultor respondia assim à questão sobre se Portugal deveria apostar mais no sector agrícola, acrescentando que “produz-se menos 50% de trigo em Portugal, 40% na Ucrânia e 60% na Rússia; a Ucrânia é o maior exportador de trigo do mundo, a Rússia é o terceiro maior exportador do mundo…”. E questionou: “onde é que amanhã vamos ter farinha para fazer pão?”

 

Para Amadeu Morais, “os nossos governantes europeus não têm seguido a melhor estratégia” e “a Comunidade Europeia diz que ajuda os agricultores a fazer isto e aquilo mas, na maioria dos casos, por falta de estruturação fundiária, não são candidatáveis”.

 

Aquele dirigente apresenta soluções, numa entrevista onde valoriza a importância do sector agrícola também no âmbito local. “Em Águeda toda a gente, além do mais, é agricultor nas horas vagas”; “foi o dinheiro poupado na agricultura que permitiu o lançamento da indústria em Águeda”; e “quase todos os industriais aguedenses descendem de agricultores” são algumas das ideias expressas por Amadeu Morais.

 

(entrevista completa na edição impressa)

Autores

Notícias Relacionadas

1 comentário;

  1. leandro pinto said:

    tem toda a razão… os portugueses so vão acordar e sentir o que o pm nos esta a fazer quando portugal estiver a passar fome…

*

Top