O dia em que o comboio a vapor regressou à linha…

Comboio a vapor na Linha do Vouga 47 anos depois

A locomotiva E214 voltou à linha do Vouga, no passado sábado, naquela que foi a viagem inaugural do comboio histórico a vapor após quase 50 anos, trazendo com ela muitas memórias das centenas de pessoas que não quiseram perder a oportunidade de a rever

Ao invés das anteriores viagens históricas realizadas no verão, mas puxadas por uma locomotiva a diesel, esta decorreu de manhã e não à tarde. Com lotação esgotada, a viagem teve início em Aveiro, pouco depois das 9h. Dos cerca de 150 passageiros estava também o presidente da CP, Nuno Freitas, o presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes, Eduardo Feio, bem como membros da autarquia de Águeda e presidentes de Junta.
Toda a viagem foi animada pelos elementos do Grupo Folclórico e Etnográfico de Macinhata do Vouga. A paragem em Águeda contou com a presença de muitos curiosos, que aguardavam pela chegada da locomotiva. Durante largos minutos tentaram tirar as melhores fotografias.
Pouco passava das 10h45 quando o comboio chegou a Macinhata do Vouga. Apesar da ameaça de chuva, aguardavam inúmeras pessoas. Muitos eram os macinhantenses que reconheceram aquela locomotiva, trazendo-lhes recordações do tempo de infância.
Algumas associações da freguesia tinham montado as suas barraquinhas com sabores tradicionais da região, bem como algum artesanato. Seguiu-se a visita ao museu ferroviário de Macinhata do Vouga, realizado pelo grupo de teatro TEMA – Teatro Espontâneo de Macinhata.
Esta foi a primeira de duas viagens abertas ao público em geral, sendo que a próxima será feita já no próximo sábado, dia 21, seguindo os mesmos horários. Os bilhetes deverão ser adquiridos através do site da CP. No passado domingo, dia 15, foi realizado excecionalmente uma viagem, mas que era destinada apenas para os funcionários da CP.

FILIPE CORREIA

 

Vapor até 1972

Foi em agosto de 1972 que a locomotiva a vapor deixou de circular na Linha do Vouga com a alegação de que as mesmas provocavam incêndios florestais. A linha ficou sem serviço ferroviário até julho de 1975. A reabertura deu-se com comboios a diesel. O momento foi participado ativamente pela comunidade servida pela linha: por onde o comboio passava, a população vitoriava o regresso do comboio. Em Águeda, por exemplo, toda a área circundante à estação, inclusivamente a vertente norte, estava apinhada de gente – muita da qual gritavam palavras de ordem – quando a locomotiva vermelha e branca surgia balançando dos lados de Sernada do Vouga.
No entanto, o troço entre Sernada do Vouga e Viseu acabou por ser definitivamente encerrado em 1 de janeiro de 1990. Atualmente, além do ramal de Aveiro, as automotoras da Linha do Vouga operam entre Espinho e Oliveira de Azeméis. Desde 1 de novembro de 2013, o serviço regular de passageiros no troço entre Oliveira de Azeméis e Sernada do Vouga foi suspenso. As automotoras só utilizam este troço quando procedem a trabalhos nas oficinas de Sernada.
(reportagem completa na edição de 18 de dezembro de 2019 – versões e-paper e impressa)
Autores

Notícias Relacionadas

*

Top