SAD no Recreio de Águeda só com condições

Bola de futebol

A assembleia geral do Recreio de Águeda aceitou, por unanimidade, uma proposta de adenda aos estatutos do clube que acautela mas não fecha o caminho a futuras negociações com investidores para a eventual constituição de um novo modelo de gestão, designadamente uma sociedade desportiva

A inclusão da adenda no artigo 86, alínea A, permite a negociação mas vincula sempre uma decisão definitiva à aprovação de dois terços dos associados do recreio de Águeda numa assembleia geral extraordinária a convocar para o efeito.
O texto aprovado, apresentado pelos quatro membros do conselho fiscal do Recreio de Águeda – Carlos Branco (Litos), Carlos Guerra (Pelé), António Vidal (Tó Vidal) e António Carlos Ribeiro (Tocá) -, refere explicitamente que “a direção terá de apresentar previamente o projeto do novo modelo de gestão aos sócios” e que “o projeto a apresentar deverá conter as informações seguintes: de se trata de protocolo de acordo; se se trata de acordo para social”
Refere ainda que “a direção do RDA disponibilize aos sócios, através de ofício ou nas redes sociais do clube, o projeto a ser levado à assembleia com a antecedência mínima de dez dias úteis, para que os sócios o possam analisar devidamente e, posteriormente, votar conscientemente”.
No último parágrafo do texto, aprovado na noite desta segunda-feira, é referido que “o conselho fiscal do Recreio Desportivo de Águeda deseja, tão só, que o modelo de gestão seja um processo absolutamente transparente, que haja grande esclarecimento e um conjunto de ações, por parte da direção, por forma a não haver qualquer dúvida antes da votação”

Autores

Notícias Relacionadas

*

Top